quarta-feira, 16 de maio de 2018

Nova Zelândia

Quer vejamos postais do país ou mesmo behind the scenes da saga Senhor dos Anéis, é fácil percebermos o carácter paradisíaco das paisagens neozelandesas. No entanto, esse pode até nem ser o aspecto mais fascinante dos nossos antípodas. Os kiwis são conhecidos pela sua generosidade e optimismo, sendo fácil manter um espírito positivo na sua companhia.

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Top 7 - Destinos turísticos para visitar na Bolívia

Gostaria de explorar a Bolívia nas suas próximas férias? Venha connosco e descubra o Top 7 dos destinos turísticos que não poderá perder!

A Bolívia é um dos países mais diversificados da América do Sul. Embora os destinos turísticos mais conhecidos do país sejam os do Altiplano, a verdade é que há muito mais para visitar além do Salar de Uyuni. A Tourism Review compilou 7 dos melhores lugares para descobrir na Bolívia.


Aqui ficam os Top 7 - Destinos turísticos a não perder na Bolívia: 

1. Lago Titicaca e Isla del Sol
Entre os demais destinos turísticos da Bolívia, o Lago Titicaca é um dos lagos mais impressionantes e interessantes do mundo. É conhecido como o  lago navegável mais alto do planeta, devido aos seus mais de 3.800 metros acima do nível do mar. Está localizado no Altiplano andino, pertencendo à Bolívia e ao Peru. 
Além disso, o Lago Titicaca situa-se ao lado de Copacabana - uma pequena cidade muito atraente, na qual não verá grandes edifícios, mas sim, pequenas casas e e ruas em paralelepípedo. Copacabana não é apenas um lugar visualmente deslumbrante, mas também um importante centro de peregrinação. A Basílica de Nossa Senhora de Copacabana abriga a imagem da Virgem de Copacabana, conhecida como a "Rainha da Nação". º
A cidade é também o local de partida dos barcos em direção à Isla del Sol, um dos enclaves mais místicos da América do Sul. Além da sua fascinante história, um dos pontos de grande interesse é a famosa trilha Willa Thaki, conhecida como a "Rota Sagrada do Sol Eterno", que atravessa a ilha, quase na sua totalidade.


2. La Paz
La Paz é um dos locais essenciais para quem está de visita à Bolívia. Embora a importância deste destino possa causar alguma confusão, La Paz não é a capital do país. A capital da Bolívia é Sucre. No entanto, La Paz é a cidade com a maior população da Bolívia, possuindo alguns dos mais importantes edifícios do governo. Oficialmente conhecida como Nuestra Señora de la Paz, esta cidade reúne inúmeros pontos turísticos de interesse.
Com altitudes situadas entre os 3.200 e os 4.000 metros de altura, poderia facilmente passar alguns dias a descobrir todos os seus recantos. Não obstante, destacamos a Basílica de São Francisco, a catedral metropolitana e, acima de tudo, o Mercado das Bruxas - um dos mercados mais fantásticos do continente sul-americano, no qual poderá encontrar amuletos e encantos de todos os tipos (sapos, cobras, fetos de lhama ...) que Aymaras e Quechuas usam para os rituais de oferendas ao seu Deus.


3. Tiwakanu
Tiwanaku (ou Tihuanaco) é conhecida por ser uma das culturas pré-incaicas mais importantes da América do Sul, e a antiga cidade arqueológica de mesmo nome está localizada na Bolívia, a 15 km do Lago Titicaca.
A civilização Tiwanaku viveu mais de 25 séculos e ainda poderá ver o que resta da mesma. Locais a não perder são: a Puerta del Sol, o Puma Punku, o Kalasasaya ou a Pirâmide de Akapana. Os monólitos que se assemelham às estátuas Moai da Ilha de Páscoa, também constituem uma das maiores referências turísticas em Tiwanaku.
Tiwanaku lidera o ranking dos destinos turísticos na Bolívia, não só pela sua importância histórica, mas também pela sua facilidade de acesso, estando apenas a 55 km de distância de La Paz. 


4. Salar de Uyuni
Visitar o Salar de Uyuni (também conhecido como Salar de Tunupa), não só encabeça a lista de lugares que deve visitar na Bolívia, como também é uma das principais atrações de toda a América do Sul. O Salar de Uyuni é o maior salar do mundo e, oferece uma imagem impressionante em qualquer época do ano. Se estiver completamente seco, poderá observar perfeitamente os cristais de sal, em dias mais húmidos, poderá ver o céu completamente refletido na água.
Embora possa chegar ao salar através da cidade de Uyuni, aconselhamos a sua participação numa  viagem de 3 dias, na qual irá visitar o melhores pontos da Reserva Nacional Eduardo Avaroa. Caso tenha que escolher um, de entre os parques naturais da Bolívia, esta reserva é a melhor opção.  


5. Potosí
Situada ao lado do Cerro Rico, e com mais de 4.800 metros de altura, Potosí é uma das mais belas cidades coloniais a visitar na Bolívia. Nesta cidade encontrará várias igrejas barrocas e a espetacular Casa Nacional de la Moneda, onde milhões de moedas foram cunhadas, usando prata das minas pelas quais Potosí é conhecida.
Assim, visitar a mina de Pailaviri é uma das atividades mais fascinantes da Bolívia. Embora a quantidade de prata restante, não seja igual à quantidade encontrada durante o período colonial espanhol, poderá experienciar as condições difíceis a que os mineiros estavam sujeitos, chegando a atingir temperaturas acima dos 45ºC.

6. Sucre 
Sucre é a capital da Bolívia, reunindo muitos pontos turísticos a não perder na sua próxima viagem. É uma cidade agradável, não só pelo seu clima temperado, como pelo seu ambiente tranquilo, e pelas suas ruas repletas de maravilhosos edifícios e simpatia dos seus habitantes.
O centro histórico de Sucre foi declarado Património da Humanidade pela UNESCO devido ao seu bom estado de conservação, o que nos traz de volta aos dias em que a Bolívia era uma colónia espanhola.
La Recoleta é um mosteiro franciscano pelo qual terá de passar na sua visita a Sucre. É um edifício religioso estabelecido no século XVII nas encostas da colina Churuquella, oferecendo uma das vistas mais incríveis da cidade.


7. Parque Nacional Madidi 
Se procura uma experiência diferente na sua viagem à Bolívia, sugerimos uma visita ao Parque Nacional Madidi. Localizado numa das maiores regiões florestais do planeta, a variedade de flora e fauna do parque é simplesmente surpreendente. Nesta selva, diferentes espécies como o puma, a onça, a arara ('guacamaya') ou a anaconda, coexistem.
A melhor forma de aceder ao parque é através da pequena cidade turística de Rurrenabaque. A partir desta cidade, pode optar por fazer viagens diárias, ou mesmo, ficar dentro do parque. Esta segunda opção permitirá que alcance lugares mais distantes e desfrute de caminhadas. 
Além disso, existem várias alternativas para o ecoturismo comunitário, já que muitas das pousadas do parque são administradas por grupos indígenas. Por isso, o Parque Nacional oferece imensas atividades interessantes para fazer na Bolívia, se pretender combinar o turismo cultural com a natureza.

Pensamentos finais:
Como viu, a Bolívia é um país com uma cultura extremamente rica, recheado de atividades e pontos de interesse. Por isso, não se distraía e marque já a sua próxima aventura.

Fonte: TourismReview | Veja o artigo original aqui.

terça-feira, 10 de abril de 2018

O que fazer em Brisbane para ser uma viagem memorável

Pretende viajar para Brisbane num futuro próximo? Então aqui ficam algumas dicas sobre o que fazer na capital de Queensland, na Austrália.

Brisbane, a capital de Queensland , é uma das principais cidades turísticas da Austrália. Não importa se está a viajar pela primeira vez ou se já conhece este destino, em Brisbane há sempre algo novo para fazer. A Tourism Review sugere reservar 7 dias para conhecer este destino de modo a "absorver tudo o que a cidade tem para oferecer".


Segue, então, a lista das actividades sugeridas:

     1. Vistar o Santuário de Koalas em Lone Pine
Se gosta de animais e de natureza então não pode perder este santuário. Com mais de 100 espécies de animais nativos, este parque promete surpreender os seus visitantes. Este não é só o primeiro santuário do mundo de Koalas, como também é o maior (e muitos o consideram o melhor). Não fique surpreendido se passar um dia inteiro no santuário a observar todas as paisagens e animais.

     2. Escalada
Há muitos lugares para fazer escalada em Brisbane, mas Kangaroo Point Cliffs é o local mais indicado para o fazer. Mesmo que seja um principiante nesta modalidade, não hesite em experimentar! Pode parecer um pouco assustador ao início, mas é uma experiência única!

    3. Viagem à Ilha Stradbroke
Se procura uma actividade de dia inteiro, esta é uma boa opção. Uma viagem de um dia para a Ilha Stradbroke mudará para sempre a perspectiva desta zona. Há muitas actividades para fazer nesta ilha, desde a observação de baleias e golfinhos a nadar no Brown Lake. 

    4. Visita "fantasma" ao cemitério de Toowong
Sim, é mesmo tão assustadora quanto parece. No entanto, esta visita é obrigatória para quem gosta de aventura e visita esta cidade. As visitas são em grupo e geralmente custam $ 35 USD. Ao caminhar pelo cemitério, o guia irá contar as histórias das mais de cem mil pessoas ali sepultadas, bem como uma variedade de lendas urbanas. 

    5. Comer, comer e comer mais
Brisbane é considerado o lar de alguns dos melhores restaurantes da Austrália. Do casual ao sofisticado, não vai ter dificuldade em encontrar um restaurante que se adapte às suas pupilas gustativas e orçamento. A TourismReview sugere: Urbane Restaurant, George’s Paragon Seafood Restaurant, e Customs House. 

Pensamentos finais
Como já reparou existe sempre algo para fazer em Brisbane, inclusive relaxar na praia. Por isso, o melhor é ponderar e decidir o que não pode mesmo perder antes de chegar ao destino.

Fonte: TourismReview | Veja o artigo original aqui.

terça-feira, 3 de abril de 2018

Gosta de viajar com os seus animais de estimação? Estes são os melhores países para o fazer!

Viajar com os animais de estimação está a tornar-se cada vez mais comum. Alguns países já têm hotéis que estão a incluir na sua oferta de serviços a possibilidade dos viajantes ficarem com o seu amigos de quatro patas. 


O relatório de 2017 da Trabber avaliou 50 mil hotéis em 30 países e revelou um crescimento lento, mas constante na procura de hotéis que aceitam animais de estimação. Segundo os especialistas, os viajantes estão dispostos a pagar mais por hotéis que recebam cães e gatos. Neste sentido, a Europa é um paraíso para estes viajantes. Na Alemanha, França, Itália e Áustria, mais de 40% dos hotéis aceitam animais de estimação. O quinto lugar neste ranking é o Canadá (34%). No Brasil a percentagem desce para os 18% e no México apenas 13% dos alojamentos, sendo que neste caso a maioria destes visitantes são do próprio país, visto que passar as fronteiras mexicanas com animais exige muita burocracia. Na Colômbia e na Argentina, menos de 1 em cada 10 alojamentos turísticos oferece essa opção. Chile (7%) e Peru (5%) estão no fim da lista.

No que diz respeito às grandes cidades,  Berlim está no topo com 55% dos alojamentos a aceitarem animais de estimação, em Paris este número desce para 37%, em Toronto para 35%, em Nova Iorque para 32% e 29% em Roma. No Rio de Janeiro o número é  ainda mais reduzido (20%) e ainda menor na Cidade do México (13%). Em geral, o estudo também destaca que as cidades costeiras e hotéis de férias têm tendência a aceitar cães e gatos com mais frequência, enquanto que os hotéis nas cidades e destinados a viajantes de negócios são menos propensos a aceitar animais.

Os 10 melhores países para viajar com animais de estimação (em % de hotéis que recebem estes animais)

Alemanha: 49,14%

Itália: 46,53%

Áustria: 44,23%

Canadá: 34,35%

EUA: 30,64%

Holanda: 28,82%

Rússia: 25,73%

Grécia: 21,72%

Marrocos: 21,36%

Brasil: 18,11%

Veja o artigo original aqui.
Fonte: TourismReview

terça-feira, 27 de março de 2018

Paladares especiais da China

Por ter sido, em tempos, uma colónia britânica, encontrará em Hong Kong uma gastronomia que combina perfeitamente a cultura oriental e ocidental. No Lung King Heen, a paisagem cosmopolita ganha vida. Se escolher o jantar como refeição, poderá observar a vida que as luzes da cidade ganham. Em Macau, visite o Grand Lisboa Hotel. No 43º andar, encontra-se o estrelado Robuchon au Dôme, do reconhecido chef Joël Robuchon, onde poderá desfrutar do requinte da alta cozinha e da vista deslumbrante sobre a cidade. Alguma vez imaginou um restaurante onde pode usufruir de uma experiência multi-sensorial? No Ultraviolet, em Shanghai, a experiência gastronómica vai muito além do palato. Neste restaurante exclusivo, o jantar começa a partir do momento em que é levado de um ponto de encontro para um local secreto onde só vão 10 pessoas. Aqui, porá à prova todos os seus sentidos.



terça-feira, 20 de março de 2018

Celebrar os sabores sul coreanos

Se está a pensar visitar o berço de uma das civilizações mais antigas do Mundo, vamos dar-lhe mais uma razão pela qual não pode deixar de ir. Eleito pelo site The Worlds 50 Best o 38º melhor restaurante a nível mundial, o La Yeon, em Seoul, possui três estrelas Michelin e eleva os sabores da cozinha tradicional coreana a um nível de excelência. O guia Michelin afirma, inclusivamente, que vale a pena a viagem só para degustar os pratos do chef Sung-Il Kim. O restaurante, cujo nome significa “celebração”, encontra-se no topo do Seoul Shilla Hotel, onde pode desfrutar de um spa de luxo no centro empresarial da cidade.

quarta-feira, 14 de março de 2018

A TAP está a oferecer 1000 milhas aos novos clientes!

Hoje, dia 14 de Março, a TAP celebra o seu 73º aniversário!
Para assinalar esta data a companhia aérea portuguesa está a oferecer 1000 milhas aos novos clientes TAP Victoria. 

Para receber esta oferta basta inscrever-se no programa de fidelização da TAP. Esta oferta está válida para todas as novas inscrições efectuadas durante o dia de hoje e de amanhã. Estas milhas poderão ser usadas para ter descontos imediatos em viagens ou para trocar por serviços, descontos e experiências em mais de 150 parceiros.

Saiba mais aqui.



terça-feira, 13 de março de 2018

Recantos gastronómicos de Nova Iorque

Diz-se que Nova Iorque é sempre uma boa ideia. É uma cidade num turbilhão constante, uma imensa variedade de culturas e, claro, muitos restaurantes. Se estiver a passear nas lojas da 5th Avenue, não deixe de experimentar o Eleven Madison Park. Com vista para um dos parques mais bonitos de Manhattan, pode ainda comprar os livros de receitas do famoso restaurante dono de três estrelas Michelin. Caso esteja a passear no Central Park, pode sempre fazer uma pausa para refeição no Jean-Georges. Caso prefira uma refeição mais leve, pode optar pelo Per Se, onde, para além de almoços e jantares, pode provar vinhos, snacks, sobremesas e cocktails.





terça-feira, 6 de março de 2018

Luxuosa Singapura

No país que possui a maior concentração de milionários do Mundo, pode ouvir quatro idiomas diferentes: inglês, malaio, mandarim e tâmil. Em Singapura, não pode deixar de experimentar a característica street food, reconhecida internacionalmente. Prova disso é a estrela Michelin atribuída ao Hong Kong Soya Sauce Chicken Rice and Noodle, um estabelecimento de street food. Um pouco mais a sul, na tranquila ilha de Sentosa, mora o Joël Robuchon Restaurant, que dá pelo nome do próprio chef. Nesta casa do famoso “Chef of the Century”, que possui 28 estrelas Michelin nos seus 12 restaurantes, pode encontrar clássicos franceses e um ambiente luxuoso e envolvente.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Conselhos úteis na hora de escolher o seu lugar num avião


  • Para os amantes do conforto, saiba que deve evitar escolher lugares nas traseiras do avião e na fila de saída, já que os bancos não se reclinam nestes lugares. 
  • Se for com pressa e vir que no final da viagem precisa de sair imediatamente do avião, opte por lugares que estejam mais próximos das portas.
  • Se a turbulência o assustar e a quiser evitar ao máximo, o melhor lugar é na proximidade das asas do avião.
  • Se quiser silêncio para descansar a cabeça e o corpo, saiba que a zona menos barulhenta se encontra na frente do avião, onde o barulho dos motores não é tão perceptível. 

Chuva de estrelas no Japão



Queremos que aproveite da melhor forma cada momento da sua viagem ao Japão e, por isso mesmo, fomos descobrir os restaurantes premiados com três estrelas Michelin: o melhor para os melhores clientes. Por ser o país com maior número de estrelas Michelin do mundo, o Japão possui muita oferta nesta área. Se preferir um restaurante discreto, sugerimos o Nakashima, em Hiroshima. É um restaurante que não prende atenções mas cuja cozinha alberga uma grande vivacidade.  Em Quioto, perca-se no Hyotei. Este restaurante encerra os seus segredos na mesma família há 14 gerações. Para os amantes do sushi, o galardoado restaurante Sushi Yoshitake em Tóquio é paragem obrigatória.  Assumindo-se como a cidade com mais estrelas Michelin - mais do que Paris, Hong Kong, Nova Iorque, Los Angeles e Londres somadas - Tóquio alberga muitos outros restaurantes premiados, como o Ginza Kojyu, caracterizado pelo ambiente discreto. Aqui, o chef Toru Okuda promete surpreender!

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Top 10 destinos que os nossos clientes pretendem visitar em 2018!

Este ano, perguntámos aos nossos clientes quais os destinos que mais gostariam de conhecer. As respostas foram claras, e permitiram-nos traçar o nosso top 10 de destinos mais desejados para 2018. 
















Noruega




quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Benim

A riquíssima história do Benim está bem evidente na cultura contemporânea do país. A começar pelo Vodu, aqui inventado há tantos séculos atrás e ainda hoje a religião nacional, e passando pela cidade de Porto-Novo - ainda assim chamada graças aos portugueses que aí construíram uma feitoria. Por todo o Benim, encontramos vestígios, na forma de ruínas de palácios e templos, da presença do antigo Reino do Daomé. Os parques naturais são paragem obrigatória para avistar a fauna da região, e as praias da costa deliciosamente tropicais.

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Gana

Antes conhecido como Costa do Ouro, o Gana é verdadeiramente um destino dourado para os turistas mais curiosos. O país tem vindo a desenvolver-se magnificamente, sem nunca comprometer a herança cultural e o património natural que fazem deste a jóia da coroa da África Ocidental. A energia fervilha e consegue sentir-se nas grandes cidades, sobrando os refúgios naturais para os amantes da calmaria. Os safaris são apenas uma pequena parte do que a natureza ganesa oferece: florestas, quedas de água e desfiladeiros preenchem o Gana e tornam-no tão único como imperdível.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Panamá

O Panamá é a casa de um dos maiores feitos de engenharia de todos os tempos - o Canal do Panamá - mas não é só isso que deve motivar a visita a este país centro-americano. Por exemplo, a estreita faixa do istmo do Panamá alberga mais espécies de aves e de árvores do que a América do Norte inteira. Mas também não é só a diversidade natural que nos atrai: o Panamá tem paraísos insulares tanto no Mar das Caraíbas como no Oceano Pacífico, onde os recifes e os golfinhos acompanham o Sol como bons parceiros de viagem. Além disso, a Cidade do Panamá, a grande capital, é plena de contrastes fascinantes, misturando o melhor das várias Américas.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Bornéu, Malásia

No Bornéu malaio, as florestas tropicais são das mais ricas em diversidade animal e vegetal do Mundo, e parecem chamar por nós. O Bornéu é a terceira maior ilha do Mundo e um paraíso para qualquer amante da natureza e da aventura. Desde ver orangotangos no seu habitat natural, fazer scuba diving ou simplesmente relaxar numa das muitas praias magníficas, não há fim para o que pode fazer no Bornéu. As cidades são modernas e multiculturais, oferecendo um bom pouso para os mais activos.

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Canadá

Há muitas diferenças para descobrir entre as costas Leste e Oeste do Canadá. Na verdade, é como se fossem dois países diferentes, embora ambos dos mais cosmopolitas e dinâmicos do Mundo. Aqui, a harmonia cultural e natural é absolutamente fascinante: os museus e galerias são complementados pelas trovejantes Cataratas do Niágara, e os arranha-céus pelos parques naturais verdejantes e cheios de vida. Quer procure uma escapadela num belo lago ou um tour citadino, o Canadá irá sempre surpreender pela grandeza.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Quirguistão

O Quirguistão define-se sobretudo pela qualidade arrepiante das suas paisagens naturais. Os vales e as montanhas são afiados, pelo que o resultado só pode cortar a respiração. Cá em baixo, os prados verdes são interrompidos por vestígios do passado, ou por simpáticos rebanhos. Uma viagem ao Quirguistão oferece-nos a ocasião e o local ideal para fazer longas caminhadas e experimentar um estilo de vida semi-nómada. Aqui, no centro da Rota das Sedas, começa o amor de muitos viajantes pela Ásia Central.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Moçambique


Impoluto e selvagem, Moçambique está a tornar-se num destino emergente no circuito internacional, e não é difícil perceber porquê. Há mais de um milhar de quilómetros de costa para percorrer, enriquecidos com magníficos recifes de coral que convidam à prática do mergulho. A cultura africana mistura-se com a portuguesa e embriaga-nos os sentidos. Para os amantes do luxo, Moçambique oferece ilhas privadas exclusivas, onde a areia branca parece desfazer-se no mar. Moçambique é o destino ideal para quem pretende uma experiência genuína, sem o cariz excessivamente comercial de outros países da região.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Namíbia

A duna mais alta do Mundo, Sossusvlei 
Na Namíbia pode conhecer desde a duna mais alta do Mundo, até ao mais profundo desfiladeiro de África. Pode observar majestosas criaturas animais enquadradas em soberbos cenários naturais, e visitar o deserto mais antigo e seco do Mundo, junto à costa, para entrar em contacto consigo próprio. Nas cidades, o ambiente é vibrante e colorido, ainda ligado ao passado histórico e às antigas tradições. O governo estável e democrático da Namíbia garante também a segurança e tranquilidade dos visitantes.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Delta do Okavango, Botswana


Cada novo ano traz consigo novos desejos, novas ambições, novas experiências e, claro, novas viagens. Em 2018, desejamos-lhe 12 meses repletos de descoberta e aventura, a sós ou com quem mais gosta, por metrópoles fervilhantes ou na tranquilidade das montanhas, faça frio ou faça calor. Por agora, damos-lhe a conhecer novos programas para o ano que se avizinha, na certeza de que 2018 trará algo especial para cada um de nós. Feliz 2018!

Pôr do sol no Delta do Okavango

Uma viagem até ao Delta do Okavango, no coração ainda intocado de África, é uma experiência incomparável a qualquer outra. Onde a aridez da savana encontra pântanos e lagos, é possível encontrar toda a fauna que habita o interior africano, tornando este num sítio ideal para um safari. Contornado com palmeiras e plantas de papiro, o Delta é formado quando o Rio Okavango, vindo de Angola e Namíbia, encontra a depressão do Kalahari, que o impede de correr até ao oceano e o faz alagar uma extensa área do norte do Botswana.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Viagem ao Carnaval Bijagó: O Carnaval como nunca o viu

Partilhamos abaixo uma recomendação dos nossos amigos no Orango Parque Hotel. Veja o website deles aqui:


Viagem ao Carnaval Bijagó: O Carnaval como nunca o viu
CARNAVAL de ORANGO.
Já reparou que falta pouco para desfrutar de novo do carnaval? Já é altura de pensar onde o quer passar, e no Orango Parque Hotel propomos o nosso circuito personalizável para se surpreender com o mais pitoresco da tradição bijagó. Propomos que conheçam a Guiné Bissau neste Carnaval e se envolvam na cultura Bijagó numa das suas manifestações mais interessantes: o Carnaval.

O que sabe do povo bijagó?

Uma exposição única no Orango Parque Hotel no arquipélago Bijagó na Guiné Bissau mostra-nos este povo mítico, mas também muito real.

Não se preocupe se ainda não sabe nada sobre eles, aconteceu a todos nós… Mas também não se surpreenda se quando chegar perto dos habitantes deste belíssimo canto da África Ocidental quiser saber mais e mais… E os bijagós são um desses povos primitivos que se encontram nos livros de viagens de outros tempos, ou que aparecem nos trabalhos de estudiosos fascinados pela diversidade cultural. Os bijagós são um povo vivo, orgulhoso de uma cultura que, ainda hoje, é parte significativa do seu dia a dia, da sua vida espiritual e das suas celebrações mais singulares.
Poucos lugares conservam uma espiritualidade tão à flor da pele como estas paradisíacas ilhas.
O Orango Parque Hotel é um lugar privilegiado para conhecer melhor os bijagós, e que desde 2016 também alberga nas suas instalações o único museu da cultura Bijagó. Trata-se de uma exposição interpretativa que reúne peças originais e reproduções únicas, cuja recolha significou um valiosíssimo, e às vezes difícil, trabalho de recuperação.
Agora a comunidade bijagó pode admirar estes elementos que fazem parte da sua identidade e dá-los a conhecer aos visitantes do Orango Parque Hotel. Uma boa forma de valorizar a sua cultura, reafirmando-a ao ver o interesse que desperta nos visitantes estrangeiros.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

São Tomé e Príncipe planeia desenvolver o turismo

SAO TOME AND PRINCIPE PLANS TO DEVELOP TOURISM

As autoridades de São Tomé e Príncipe anunciaram que pretendem alargar os horizontes dos seus limites económicos, visto que actualmente 90% do seu orçamento de estado depende de ajuda externa. O governo pretende agora tornar o país, de 200.000 habitantes, num paraíso ecoturístico.

Esqueçam o sonho do petróleo, diz o Ministro das Finanças Américo de Oliveira Ramos, que acredita que o país não pode depender do "ouro negro" como outros países da região.

São Tomé e Príncipe tem recursos petrolíferos, mas a sua exploração é ainda considerada demasiado dispendiosa. Ainda assim, já foram feitas propostas para a exploração de dois blocos situados na zona económica exclusiva de São Tomé.

A antiga colónia portuguesa é conhecida internacionalmente como "as ilhas do chocolate", graças ao seu cacau de qualidade. A agricultura e a pesca são outras fontes importantes de proveitos para o orçamento de estado.

Agora, o país planeia atrair investidores internacionais. A natureza exuberante e as praias paradisíacas em ilhas vulcânicas com mais de 600 espécies de plantas - que se conheçam -  tornam São Tomé e Príncipe num pequeno paraíso ecológico.

O investimento no sector turístico é então um dos grandes objectivos do governo. Relativamente intocado pela agricultura intensiva, o arquipélago pode vingar enquanto destino ecoturístico.

No entanto, os obstáculos ainda existem: é muito difícil reunir fundos para investir em São Tomé. Os hotéis locais a precisar de ajuda por parte da banca vêem-se confrontados com uma taxa de 24% quando pedem empréstimos de determinados valores. Outro dos contras, é o elevado custo da viagem até São Tomé e Príncipe. Embora o custo de vida seja baixo para cidadãos da Europa, São Tomé continua a ser um luxo. Uma viagem a partir de Lisboa chega aos 850€.

O governo local também planeia expandir o aeroporto internacional. Restará saber se o desenvolvimento de São Tomé ajudará a população local, cuja taxa de desemprego é de quase 60%.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Conheça as recomendações de Filipe Morato Gomes para 2018!

O nosso amigo Filipe Morato Gomes contou-nos as suas recomendações para viajar em 2018. Fique a conhecê-las, e visite o website do Filipe aqui.

1. Argélia


Ruínas de Timgad, Argélia

“Há muito tempo não me surpreendia tanto com um país como com a Argélia” – foi assim que um amigo, viajante muito experiente, me falou da Argélia. Fiquei intrigado e deveras curioso. E fui pesquisar.
Na verdade, parece ser dos países mais subestimados turisticamente em todo o norte de África. Pela minha parte, já vou matar a curiosidade em 2018. Os bilhetes de avião estão comprados para o próximo mês de março.
Lugares como a cosmopolita Argel, com o seu delicioso kasbah classificado pela UNESCO como Património Mundial; as ruínas romanas de Timgad e Djemila; o oásis de Timimoun; o Parque Nacional Tassili n’Ajjer; e, claro, a misteriosa povoação de Ghardaia; tudo motivos para rumar à Argélia enquanto o país não é descoberto pelo turismo de massas.
É a aposta mais pessoal desta minha lista com os melhores destinos para 2018. Espero surpreender-me.

2. Geórgia


David Gareja, Geórgia

No radar de um número crescente de viajantes, a Geórgia é outro país sobre o qual tenho grande curiosidade e expectativas. Muito por “culpa” de locais como a boémia Tbilisi ou a aldeia de Ushguli; as cidades escavadas de Vardzia e Uplistsikhe; o mosteiro de Davit Gareji; toda a magnífica Cordilheira do Cáucaso; e mesmo Gori, a cidade-natal de Estaline. Sim, não faltam motivos de interesse para visitar a Geórgia.
Pela minha parte, ando a adiar há demasiado tempo a minha viagem à Geórgia; inexplicavelmente. Mas agora há mais um argumento de peso para o fazer rapidamente: a Lonely Planet incluiu a Geórgia no TOP 10 de destinos para 2018.
Quer isso dizer que, muito provavelmente, ao longo dos próximos anos haverá um incremento significativo no número de turistas. Por isso, vá o quanto antes! Eu já estou a tentar encaixar a Geórgia no meu calendário de viagens para 2018.

3. Malta


Baía Balluta, Malta

Pequeno país abraçado pelas águas do Mar Mediterrâneo, Malta é mais uma aposta pessoal na lista dos melhores destinos para 2018. Andava há alguns anos a ponderar conhecer o país mas, por um motivo ou por outro, fui adiando a viagem. Até que uma low cost a operar em Portugalanunciou voos diretos entre o Porto e La Valetta e eu comprei imediatamente um bilhete de avião.
Apesar do exíguo tamanho, estou certo que há muito para descobrir em Malta. É mais um dos dez destinos eleitos pela Lonely Planet para 2018. Por isso, já sabe…

4. Maldivas


Praia nas Maldivas

Desde que as ilhas Maldivas se começaram a abrir ao turismo independente e deixaram de ser um destino exclusivo para casais endinheirados ou em lua-de-mel, tenho pensado visitá-las.
Tenho reparado em vários viajantes por esse mundo fora – alguns com blogs de viagens – que visitaram recentemente algumas das ilhas das Maldivas. O feedback parece muito positivo, mas tudo pode mudar rapidamente.
O ano de 2018 será ainda uma excelente altura para visitar as Maldivas, mas temo bem que o país se possa tornar na próxima Fiji. Enquanto as opções de alojamento acessível são escassas e antes que haja demasiados turistas nas ilhas, o momento para ir é… agora.

5. Bangladesh


Rio em Dhaka, Bangladesh

O Bangladesh é um dos países que recebe menos turistas em todo o mundo, mas sinto que isso vai mudar nos próximos anos. Trata-se de um país muito pobre e com reduzidas infraestruturas de apoio ao turismo, mas os relatos sobre a calorosa hospitalidade bengalesa são tão recorrentes que, só por isso, já valeria a pena visitar o Bangladesh.
Locais como a floresta de Sundarbans, onde se encontra a maior população dos belíssimos tigres-de-bengala; as zonas rurais de Bandarban e mesmo a capital Dhaka; servem para cimentar a ideia de que tenho de lá ir o quanto antes. A Ana Isabel Mineiro chamou-lhe, há já alguns anos, o “país dos rios“.
Eu ainda não tenho viagem marcada, mas ando a pensar nisso. Sinto que chegou a hora do Bangladesh.

6. Nepal


Tribo Jhong, Mustang, Nepal

Depois do violento sismo que abalou o Nepal em 2015, o país vai aos poucos cicatrizando as feridas do terramoto. Mas o turismo tarda em regressar ao Nepal, pelo que insisto na recomendação (o Nepal é o único país cuja sugestão repito para 2018).
Os trilhos de montanha continuam intactos, muito do património sobreviveu aos abalos e mesmo o que foi destruído vai aos poucos sendo recuperado.
A capital Katmandu, a cidade de Pokhara, o trekking ao Campo Base do Annapurna ou ao Campo Base do Evereste, a cidade de Bhaktapur, o Parque Nacional Royal Chitwan e lugares remotos como toda a região de Mustang são apenas alguns dos muitos atrativos do país.
Não menos importante, o povo nepalês continua a precisar do turismo para ultrapassar definitivamente a adversidade. Por tudo isso, o ano de 2018 é o momento ideal para visitar o Nepal!

7. Uzbequistão


Samarcanda, Uzbequistão

Tal como com um punhado de outros destinos, ando há muito tempo para visitar o Uzbequistão mas ainda não concretizei essa viagem. Locais como Khiva, Samarcanda ou Bukhara fazem parte do meu imaginário viajante. Tal como o “Cemitério de barcos” do Mar de Aral e alguns outros destinos uzbeques.
Ora, apesar de já não ser um segredo para os viajantes mais intrépidos, incluindo os apaixonados pela Rota da Seda, o Uzbequistão recebe ainda poucos turistas. Mas isso pode mudar nos próximos anos: o país anda a estudar a abolição dos vistos de turismo para, pelo menos, 27 países (na verdade, decretou a abolição dos vistos a partir de abril de 2017, mas depois adiou a decisão por quatro anos, alegadamente para permitir a consolidação das infraestruturas turísticas). Seja como for, é ir o quanto antes.

8. Canadá


Lago Moraine, Canadá

Agora que a TAP opera voos diretos entre Lisboa e Toronto, é natural que o Canadá apareça mais frequentemente no radar dos viajantes portugueses. Pela minha parte, e apesar das magníficas Cataratas do Niagara serem não muito longe de Toronto, sinto-me mais atraído pela metade oeste do país.
Tenho, por exemplo, um grande fascínio pela remota Inuvik desde que conheci uma habitante local numa ilha do Belize. Mas não só. O Parque Nacional Banff, todo o território de Yukon, a cidade de Vancouver e manifestações culturais como o Calgary Stampede fazem parte da minha lista de desejos.
Como se isso não bastasse, o Canadá é um dos países com maiores preocupações ambientais – e isso não é coisa pouca. Vancouver, por exemplo, tem um plano para se tornar a “Cidade mais Verde” do mundo até 2020.
Eu talvez não consiga visitar o Canadá em 2018, mas aqui fica a forte recomendação.

9. Malawi


Aldeia no Malawi

Muitas vezes descrito como um dos mais fascinantes destinos em África, o Malawi é também um dos países onde é menos complicado viajar de forma independente no continente africano. Tudo gira em torno do Lago Malawi – Nkhata Bay, as ilhas Linkoma e Chizumulu, entre outras -, mas há também o Monte Mulange, o Parque Nacional Liwonde e o planalto de Zomba; a cidade histórica de Dedza e até a capital Lilongwe. É a minha recomendação subsariana para 2018.

10. Portugal


Covão d’Ametade na Serra da Estrela, Portugal

A minha última recomendação para viajar em 2018 é uma espécie de mea culpa. Portugal é um país absolutamente fascinante e que merece ser (re)descoberto pelos portugueses. Eu próprio, apesar de todos os anos viajar dentro do meu país, não publico artigos sobre Portugal com a regularidade que gostaria.
Agora que Portugal está na moda e as atenções do turismo mundial continuam centradas em Lisboa e no Porto, está também na hora de explorar o interior do país, as ilhas mais recônditas dos Açores, as praias menos badaladas e todas as pequenas vilas e aldeias históricas que tanto nos orgulham. Fica o desafio para 2018, especialmente para os amigos brasileiros e portugueses que visitam o blog.
E pronto, estas são as minhas sugestões de destinos para conhecer em 2018. Quais são as suas?